12.28.2012

SEDES FORTVNE ROTVNDA


SEDES FORTVNE ROTVNDA
SEDES VIRTUTIS QVADRATA

Frontispício do Liber de Sapiente (1510), do Charles de Bovelles de quem já aqui falámos.

necis tam dirae evolvere causas

Qui mare, qui terras, qui coelum numine comples,
Spiritus alme!, tuo liceat mihi munere regem
bis genitum canere, e superi qui sede parentis
virginis intactae gravidam descendit in alvum,
mortalesque auras hausit puer, ut genus ultus
humanum eriperet tenebris et carcere iniquo
morte sua manesque pios inferret Olympo.

Illum sponte hominum morientem ob crimina tellus
aegra tulit puduitque poli de vertice solem
aspicere et tenebris insuietis terruit orbem.

Fas mihi te duce mortali immortalia digno
ore loqui interdumque oculos attollere coelo
et lucem accipere aetheream summique parentis
consilia atque necis tam dirae evolvere causas!

Marco Girolamo. Christias I.1-14. (1535)

12.27.2012

Não a ti, Cristo [Latine]

Non te, Christe, odi seu contemno,
Quod divis aliis qui te praecedere
        Mortalium in memoria
Nec maior nec minor es, sed alius deus.

Pantheo deeras. Tandem cum adsis
In Pantheo locum sume tuum,
        At cave ne affectes
Aliis suorum eripere.

Voltus tuus tristis ac commotus supra
Sterilem dolorem antiqui humani generis,
        Itast, novam pulchritudinem
Ancipiti Pantheo attulit prisco.

At fideles tui cave ne surgant supra
alios, priscos deos orsos
        Saturni filios
Propiores ab pare origine rerum,

Qui meliores carpsere memorias
Chai antiqui Noctisque
        Ubi dei nihil
        sunt Fato praeter astra subjecta.

Tu nihil praeter deus alius in aeterno.
Non te sed tuos odi, Christe,
        Pantheon praefectum
        Vitae ancipiti nostrae.

Diis nec maior nec minor novis,
Species tua opaca atque dolens
        Aliquid quod deerat attulit
        Numero divum.

Quo regas par aliis Olympi,
Aut si mavis hac terra maerente
        Solacium affer
        Cruciatis mortalibus.

At ne venerint stulti tui cultores
Nomine tuo prohibere cultum aeternum
        Praesentiarum maiorum
        Seu tui parum.

Illos, itast, intime odi
Pectore fido, illos non sequar,
        Religiosos abditos
        Scientiae divum.

Heu, augete, nec unquam bellate!
Olympum locupletate diis dando
        Vires ita tantas
        Numerus quantus maior.

Satest mala quae Fatum Parcas coegit
Natura ut faciant.
        Nos mortales in unum
        Congregemur ob deos.

Tradução minha. Original aqui.

12.26.2012

The Artisan

His friend sneaks him cadavers
out of the freezer; vagabonds
and those that still wait
for a family that will never come.
Their flesh wanes until only bones
remain, resting half-buried
in the woods.

He digs them back up
and carves so many relics.

There are skulls filled with sawdust
to be sandbags of a hot-air balloon
free-falling after a sudden gust;

there are two lanky candles, once
index fingers of an abandoned body,
that when blown, extinguish the light
coming from the velvet-coated
rib cage sconce, and then all
is dark.

He also sells his wares
to those who aren't disgusted
by shaking hands with the dead –

scalemail from a thousand fingernails
and lead-coated patellae that will lie
on a plate against three pounds of flesh
as soon as the butcher arrives at work.

He grabs the chisel's handle, a tibia
sprinkled with bone dust, and resumes his task.
After that day's work is complete,
the excess is left out for the dogs.


Miguel Monteiro (2006).

12.24.2012

τὰ Γενεθλία



Ἄναρχος Θεὸς καταβέβηκεν καὶ ἐν τῇ Παρθένῳ κατώκησεν
     Ἔρουρεμ, ἔρουρεμ, ἔρου-ἔρου-ἔρουρεμ χαῖρε Ἄχραντε.
Βασιλεὺς τῶν ὅλων καὶ Κύριος, ἦλθε τὸν Ἀδὰμ ἀναπλάσασθαι
     Ἔρουρεμ, ἔρουρεμ, ἔρου-ἔρου-ἔρουρεμ χαῖρε Ἄχραντε.
Γηγενεῖς σκιρτᾶτε καὶ χαίρετε, τάξεις τῶν ἀγγέλων εὐφραίνεσθε
     Ἔρουρεμ, ἔρουρεμ, ἔρου-ἔρου-ἔρουρεμ χαῖρε Ἄχραντε.
Δέξου, Βηθλεέμ, τὸ Δεσπότη σου. Βασιλέα πάντων καὶ Κύριον
     Ἔρουρεμ, ἔρουρεμ, ἔρου-ἔρου-ἔρουρεμ χαῖρε Δέσποινα.
Ἐξ ἀνατολῶν μάγοι ἔρχονται, δῶρα προσκομίζοντες ἄξια
     Ἔρουρεμ, ἔρουρεμ, ἔρου-ἔρου-ἔρουρεμ χαῖρε Δέσποινα.
Σήμερον ἡ κτίσις ἀγάλλεται καὶ πανηγυρίζει κι εὐφραίνεται
     Ἔρουρεμ, ἔρουρεμ, ἔρου-ἔρου-ἔρουρεμ χαῖρε Δέσποινα.

O eterno Deus até nós desceu e na Virgem habitou—
     Erourem, erourem, erou-erou-erourem, salve Imaculada!
O rei e senhor de tudo veio para voltar a moldar Adão
     Erourem, erourem, erou-erou-erourem, salve Imaculada!
Mortais, dançai e alegrai-vos! Coros dos anjos, louvai—
     Erourem, erourem, erou-erou-erourem, salve Imaculada!
Belém, recebe o teu Senhor, o rei de tudo, o Senhor—
     Erourem, erourem, erou-erou-erourem, salve Rainha!
Do oriente chegam magos, e trazem valiosas prendas—
     Erourem, erourem, erou-erou-erourem, salve Rainha!
Hoje toda a criação celebra, festeja, louva o criador—
     Erourem, erourem, erou-erou-erourem, salve Rainha!


Tradução minha.

12.16.2012

Unde fit ut nichil a deo nunquam absolvatur

Deus ens est actu infinitum. Nichil vero non ens actu itidem infinitum. Nam nichil a tanta decidit entitate, quanta deo entitas inest. Entitas autem divina est actu infinita. Esse dei actu infinitum, tota (ut diximus) eternitate dimensum. Nichil vero est pariter non esse actu infinitum. Quantum enum deus subsistit et est, tantum nichil non est; deus vero infinite est, igitur et nichil infinite non est. Rursum quantum deus distat a non esse, tantum deus ab esse distat nichil; distantia autem dei a non esse est actu indimensa atque infinita. Erit itaque et nichili ab esse intercapedo ac decidentia ctu indefinita atque intermina. Distat enim tantum nichil a deo quantum deus a nichilo: utriusque autem distantia est spacium idem, eadem longitudo actu indimensa intermina infinita. Unde fit ut nichil a deo nunquam absolvatur: aut statuatur ad esse totum. Nam nichil est actu infinitum. Quod autem huiusmodi fuerit, inabsolubile et inconsumabile est.

Charles de Bovelles. Libellus de Nihilo. Chap. VI.

12.13.2012

la teologia e la poesia quasi una cosa si possono dire

Dico che la teologia e la poesia quasi una cosa si possono dire, dove uno medesimo sia il suggetto; anzi dico più: che la teologia niun'altra cosa è che una poesia di Dio. E che altra cosa è che poetica fizione, nella Scrittura, dire Cristo essere ora leone e ora agnello e ora vermine, e quando drago e quando pietra, e in altre maniere molte, le quali voler tutte raccontare sarebbe lunghissimo? che altro suonano le parole del Salvatore nello evangelio, se non uno sermone da' sensi alieno? il quale parlare noi con più usato vocabolo chiamiamo allegoria. Dunque bene appare, non solamente la poesì essere teologia, ma ancora la teologia essere poesia. E certo, se le mie parole meritano poca fede in sì gran cosa, io non me ne turberò; ma credasi ad Aristotile, degnissimo testimonio ad ogni gran cosa, il quale afferma sé aver trovato li poeti essere stati li primi teologizzanti.

Giovanni Boccaccio. Trattatello in laude di Dante. XXII.

12.04.2012

Senno me pare e cortisia

Senno me pare e cortisia
empazzir per lo bel Messia.

Ello me sa sì gran sapere
a cchi per Deo vòle empazzire,
en Parisi non se vide
cusì granne filosafia.

Chi pro Cristo va empazzato,
pare afflitto et tribulato,
ma el è magistro conventato
en natura e ’n teologia.

Chi pro Cristo ne va pazzo,
a la gente sì par matto;
chi non à provato el fatto,
par che sia for de la via.

Chi vòle entrare en questa scola,
trovarà dottrina nova;
tal pazzia, chi non la prova,
ià non sa que ben se scia.

Chi vòle entrare en questa danza,
trova amor d’esmesuranza;
cento dì de perdunanza
a chi li dice vellania.

Chi girrà cercando onore,
no n’è degno del Suo amore,
ca Iesù ’nfra dui latruni
en mezzo la croce staìa.

Chi va cercando la vergogna,
bene me par che cetto iogna;
ià non vada plu a Bologna
per ’mparare altra mastria.

Jacopone da Todi

11.26.2012

[sem título mas com deuses]

He found my Being — set it up —
Adjusted it to place —
Then carved his name — upon it —
And bade it to the East

Be faithful — in his absence —
And he would come again —
With Equipage of Amber —
That time — to take it Home —

Emily Dickinson. [603]. The Complete Poems. Faber & Faber (1970).

11.25.2012

Now, and for us, it is a time to Hellenise, and to praise knowing.

Now, and for us, it is a time to Hellenise, and to praise knowing; for we have Hebraised too much, and have over-valued doing. But the habits and discipline received from Hebraism remain for our race an eternal possession; and, as humanity is constituted, one must never assign them the second rank to-day, without being ready to restore them to the first rank to-morrow. To walk staunchly by the best light one has, to be strict and sincere with oneself, not to be of the number of those who say and do not, to be in earnest,—this is the discipline by which alone man is enabled to rescue his life from thraldom to the passing moment and to his bodily senses, to ennoble it, and to make it eternal. And this discipline has been nowhere so effectively taught as in the school of Hebraism. Sophocles and Plato knew as well as the author of the Epistle to the Hebrews that "without holiness no man shall see God," and their notion of what goes to make up holiness was larger than his. But the intense and convinced energy with which the Hebrew, both of the Old and of the New Testament, threw himself upon his ideal, and which inspired the incomparable definition of the great Christian virtue, Faith,—the substance of things hoped for, the evidence of things not seen,—this energy of faith in its ideal has belonged to Hebraism alone. As our idea of holiness enlarges, and our scope of perfection widens beyond the narrow limits to which the over-rigour of Hebraising has tended to confine it, we shall come again to Hebraism for that devout energy in embracing our ideal, which alone can give to man the happiness of doing what he knows. "If ye know these things, happy are ye if ye do them!"—the last word for infirm humanity will always be that. For this word, reiterated with a power now sublime, now affecting, but always admirable, our race will, as long as the world lasts, return to Hebraism; and the Bible, which preaches this word, will forever remain, as Goethe called it, not only a national book, but the Book of the Nations. Again and again, after what seemed breaches and separations, the prophetic promise to Jerusalem will still be true:—Lo, thy sons come, whom thou sentest away; they come gathered from the west unto the east by the word of the Holy One, rejoicing in the remembrance of God.

Matthew Arnold. Culture and Anarchy [Preface]. 

τοῦ Θανάτου βεβαιότερον οὐδέν


Hypnerotomachia Poliphili

11.04.2012

Tolkien e Janáček

Os meus conhecimentos de música são extremamente parcos, e será certamente esse uma das causas para eu não conhecer ópera mais corajosa que a Na Casa dos Mortos do Janáček. Nem alguém que jamais tenha música composto que a iguale em heroísmo. O possível concorrente, naturalmente Beethoven, está ainda presente num mundo onde esse heroísmo, mesmo se por 'heroísmo' entendermos o do herói isolado, mesmo que o heroísmo dum mundo que funcione a contra-corrente, que não o "aprecie", suscita ainda uma resposta da parte do mundo, seja de avassalação seja de rejeição: o heroísmo é ainda parte activa ou reactiva do mundo.

Janáček já não é capaz de viver esse mundo; aqui o titanismo das Symphonias, de algumas das Sonatas para Piano (do Fidelio?), deixou de se conseguir inserir. Aqui não não há mundo para o combate do espírito, talvez por o mundo estar desencantado ou talvez por desencantado estar o próprio herói. Mas aqui entra o paradoxo de Na Casa dos Mortos, algo extremamente evocativo do conceito que Tolkien exprime no ensaio Beowulf: The Monsters and the Critics: o do heroísmo pagão, algo que em termos de sheer nobility ultrapassa em muito o Übermensch nietzscheano — na medida em que este último está dependente do Eterno Retorno do Mesmo para dele derivar a sua valorização refundada, que de outro modo ameaçaria ser despedaçado pela inversão de todos os valores da qual ele próprio é origem e consequência.

O conceito de nobreza de Tolkienano tem então Beowulf, o rei do poema, como expoente máximo, pois por muito que o próprio Tolkien o tentasse transferir para a sua saga, em última instância falha — se ele foi tão bom em auto-crítica quanto o foi em filologia, teria sido capaz de apontar a si mesmo que tentara recriar uma éthica pagã num mundo impregnado de Christianismo. So win, who may, glory ere death. Esta nobreza é o beco-sem-saída da glória pessoal que não espera testemunhas, não espera recompensas, não espera agradecimentos, e certamente não espera vida eterna. O Christianismo levou isto apenas até um ponto quando Mateus sugere que a mão esquerda esconda da direita o bem que fizer [MT 6:3]; tivesse ficado por aqui e estaríamos ao mesmo nível absurdo da Edda Poética e do Beowulf. Mas, como a Hannah Arendt rectamente aponta, o Christianismo entendeu que a virtude praticada a tão alto nível seria insuportável não houvesse o garante mýstico de que Deus está a ver as nossas boas acções, mesmo quando (ou se calhar apenas quando) ninguém está a ver. Depende da visão de Deus, da companhia solitária da divindade.

Beowulf não pretende glória depois da morte. Pretende glória até à [usque ad ] morte. Daí a coroa da sua vida não ser um monumentum aere perennius, não ser a colinha vislumbrada à distância com que os navegantes se lembrariam delemas sim uma pira — como a de Aquiles e a de Pátroklo (cuja glória também não é o enterro mas sim os jogos, como o souberam Alexandre e Ájax). A música que exprime isto não pode ser a música desesperada dum Bartok nem a desistência perante a dignidade humana dum John Cage, mas sim a música que olhe o abysmo nos olhos, e que apesar de nele reconhecer os seus próprios traços se recusar a incorporar-se nele — antes de chegada a hora.

Daí ser também extremamente congruente que a obra que dê expressão musical a esta ideia seja baseada num texto de Dostoyevsky. Quem mais que Dostoyevsky compreendeu avant-la-lettre o dito de Simone Weil que "Deus é, portanto não pode existir"? Quem mais foi christão com essa coragem? Mas para o Christianismo de Dostoyevsky se tornar heróico precisou de perder a fé, precisou de perder Deus - e para isto foi preciso a música. Janáček toma-o, assume-o  e esmaga-o, o seu atheísmo é o medium perfeito para compreender o mais perfeito christão que alguma vez viveu. É desta união perfeita que nascerá também a Missa Glagolítica, que como tal jamais poderia ter sido escrita por alguém ainda em posse de fé, mas também jamais poderia ter sido escrita por alguém a quem a dignidade humana, a quem ouso aqui chamar heroísmo, se tivesse tornado já inexistente ou até mesmo indiferente. Estas obras de arte nascem não do desencantamento do mundo mas sim dá paganização das virtudes theologais: Aquelas esperança fé e graça que seriam permitidas a um Lucrécio, a um Vergílio dolente; a nós. 





Presságios de Shakespeare

Arranjei recentemente uma desculpa relativamente pouco digna para reler o Julius Caesar (o problema da legitimidade do tyrannicídio coincide com a minha these), mas no percurso da leitura estive em atenção para a busca dumas certas duas linhas das quais me lembrava apenas de palavras "dead" "Roman streets", "wander", e pouco mais. Sabia que estavam na peça, mais concretamente sabia que derivavam duma cena em que as personagens narram umas às outras o ambiente carregado de maus presságios que precede o assassinato de César. Acontece porém que a leitura me devolveu apenas o seguinte excerpto da cena 2, que apesar de bastante evocativo da cena de que eu tinha memória, enfàticamente não era o que eu buscava:


A lioness hath whelpèd in the streets,
And graves have yawned and yielded up their dead.
Fierce fiery warriors fought upon the clouds
In ranks and squadrons and right form of war,
Which drizzled blood upon the Capitol.
The noise of battle hurtled in the air.
Horses did neigh, and dying men did groan,
And ghosts did shriek and squeal about the streets.

Julius Caesar II.2 18-25

Agora que voltei a ter internet decidi-me a buscá-lo graças ao omnipotente Google, e rapidamente descobri os versos que tinha em mente. A confusão ficou ràpidamente resolvida, pois tratava-se sim da descrição de maus augúrios, sim da morte de César, mas não no Julius Caesar mas sim no Hamlet, duma cena em que Horatius evoca o ambiente que na outra peça é trazido directamente à cena.


In the most high and palmy state of Rome,
A little ere the mightiest Julius fell,
The graves stood tenantless and the sheeted dead
Did squeak and gibber in the Roman streets
As stars with trains of fire and dews of blood,
Disasters in the sun, and the moist star
Upon whose influence Neptune's empire stands
Was sick almost to doomsday with eclipse.

Hamlet I.113-120.

10.21.2012

de Officiis

O de Officiis, livro testamental de Cícero ao seu filho, não é o manual de bons-costumes tingido a moralina que muitas vezes se imagina que é. Dele escorre o esforço desesperado dum homem a quem todos atacam de, numa última hora, numa última palavra, exortar pausadamente à virtude e à liberdade. É uma tragédia, muito mais que as outras romanas que lemos, ao nível espiritual da Pharsalia, em momentos até mesmo ao nível sombrio daquela Aeneida incerta. Res in extremum est adducta discrimen; de libertate decernitur, diz ele num outro algures: e é isso. Cícero é a figura da coragem humana que se oferece às outras pessoas; melhor que o estóicismo dum Séneca, Séneca esse cuja doutrina, como se comprovará no movimento monástico, tantas vezes transforma o si minus no egoísmo do claustro. No momento em que tudo arde, o que farás tu? É essa a pergunta do de Officiis. Onde buscarás tu refúgio? No interior do teu ser, in portum philosophiae? Ou, como séculos mais tarde dirá a Arendt, junto não da Humanidade mas sim dos homens? Cícero assumiu a escolha: bradou as Philíppicas e depois morreu.

10.07.2012

Dans le monde

uma resposta a isto.


Dieu n'a pu créer qu'en se cachant. Autrement il n'y aurait que lui. La sainteté doit donc aussie être cachée, même à la conscience dans une certaine mesure. Et elle doit l'être dans le monde.

Simone Weil. La pesanteur et la grâce. Plon (1991).

10.06.2012

Coraggio, mio tesoro!

Em complemento a isto.

We hold courage to be a virtue because the care and concern for individuals, communities and causes which is so crucial to so much in practices requires the existence of such a virtue. If someone says that he cares for some individual, community or cause, but is unwilling to risk harm or danger on his, her or its behalf, he puts in question the genuineness of his care and oncern. Courage, the capacity to risk harm or danger to oneself, has its role in human life because of this connection with care and concern. This is not to say that a man cannot genuinely care and also be a coward. It is in part to say that a man who genuinely cares and has not the capacity for risking harm or danger has to define himself, both to himself and to others, as a coward.

Alasdair MacIntyreAfter Virtue. Bloomsbury (2007).

Aulas de Latim falado e escrito

Vou dar aulas de Latim viva voce na FLUC. Mais informações aqui.

Ohimè.


[...] Lasso, del vecchio ardor
conosco l'orme ancor
dentro nel petto -
Ch'ha rotto il vago aspetto
e i guardi amati
lo smalto adamantin
ond'armaro il meschin
pensier gelati! [...]

A versão do CD (L'Arpeggiata, Teatro d'Amore - donde já aqui pus várias faixas) é melhor, mas falta-lhe o Jaroussky a fazer voz grossa.

9.30.2012

Il futuro della filosofia




Cinque docenti della Facoltà di Filosofia dell'Università San Raffaele di Milano - Massimo Cacciari, Giovanni Reale, Emanuele Severino, Roberta De Monticelli e Diego Fusaro - discutono sul tema: LA FILOSOFIA DEL FUTURO

9.29.2012

um poema do Geoffrey Hill

Erudição. Dor. Luz. Imagina-o uma grande
obra inevitável; muito embora: metros
épicos uma falsa partida, diz ᴏ ᴘᴏᴠᴏ. Alguns acreditam
que usamos em excesso os nossos dons. Vistas as idênticas
festas de rua, confusão, curta exposição,
pratica auto-emulação: música para mãos
cruzadas; para dois dedos; música
para pairar até à descolagem; para cremar.
Arcaico quer-se | ficheiros pilhados e eliminados
numa só geração. Decide da distância.
Inocentes parados praí. Dolorosas
cenas conspurcam último auto-da-fé.

Geoffrey Hill. Speech! Speech! Counterpoint (2000).
Tradução minha.

Erudition. Pain. Light. Imagine it great
unavoidable work; although: heroic
verse a non-starter, says ᴘᴇᴏᴘʟᴇ. Some believe
we over-employ our gifts. Given identical
street parties, confusion, rapid exposure,
practise self-emulation: music for crossed
hands; for two fingers; music
for taxiing to take-off; for cremation.
Archaic means | files pilaged and erased
in one generation. Judge the distance.
Innocent bystanders on stand-by. Painful
scenes mar final auto-da-fé.

9.26.2012

Mais Outono (e mais dois poemas alemães)

Herbst

Das Haus der Vögel entlaubt sich.
Wir haben Angst vor dem Herbst.
Manche von uns
malen den Toten das Gesicht
wenn sie fortziehen.
Denn wir würchten den Winter.

Eine alte Frau, die vor uns stand
war unser Windschutz,
unser Julilaub,
unsere Mutter,
deren tod
uns
entblößt.

Hilde Domin. Nur eine Rose als Stütze. Fisher (1959).


Outono


A casa dos pássaros larga as folhas.
Temos medo do Outono.
Alguns de nós
pintam aos mortos o rosto
quando eles se afastam.
Depois temos medo do Inverno.

Uma mulher idosa à nossa frente
era o nosso guarda-vento
a nossa Julilaub,
a nossa mãe,
cuja morte
nos
expõe.


Verklärter Herbs



Gewaltig endet so das Jahr
Mit goldnem Wein und Frucht der Gärten.
Rund schweigen Wälder wunderbar
Und sind des Einsamen Gefährten.

Da sagt der Landmann: Es ist gut.
Ihr Abendglocken lang und leise
Gebt noch zum Ende frohen Mut.
Ein Vogelzug grüßt auf der Reise.

Es ist der Liebe milde Zeit.
Im Kahn den blauen Fluss hinunter
Wie schön sich Bild an Bildchen reiht
Das geht in Ruh und Schweigen unter.

Georg TraklGedichte (1913).


Outono Iluminado

Em grandeza acaba o ano
com vinho de ouro e frutos dos jardins.
Calam-se em portentos as florestas
companheiras do Solitário.

Diz então o camponês: É bom.
Ó Campânulas, gentilmente
encheis-me coragem até ao fim.
Um bando de pássaros saúda.

É o tempo suave do Amor.
No bote ao longo do rio azulado
É belo como umas imagens se seguem às outras.
Declinar em Calma e Silêncio.  

9.20.2012

Orígenes e o Diabo

Uma das razões para a acusação póstuma e subsequente condenação e excomunhão post-mortem de Orígenes era a crença de que não havia alma nenhuma que, com o decurso inconcebível dos séculos, não fosse salva por Deus. Isto entrava em conflicto com as tentativas de solução apresentadas, baseadas numa variação de complexos modelos de salvação pela graça gratuita ou conquistada, mas que se baseavam sempre numa salvação selectiva. Gostar de Orígenes é um bom sinal. Sem uma pinga de vana superbia podemos ficar contentes por nos colocarmos junto daquele de quem o Edward Wind dizia que "não houve jamais um theólogo inteligente que não se sentisse atraído por [ele]." Mas creio ter encontrado um contra-exemplo aqui no Joseph Smith, o qual a seu modo é também ele um theólogo de preeminência - tenho vindo a descobrir isso. No King Follet Discourse deixa ele en passant um enigmático e no qual voltarei a pegar problema (donde não nos safamos, a não ser que queiramos lembrar o já-moído comentário do Blake sobre o Lucífer do Milton, que seria "of the Devil's party without knowing it"),


The contention in heaven was—Jesus said there would be certain souls that would not be saved; and the devil said he could save them all, and laid his plans before the grand council, who gave their vote in favor of Jesus Christ. So the devil rose up in rebellion against God, and was cast down, with all who put up their heads for him.

Joseph Smith. King Follet Discourse.

9.17.2012

die Toten

So also kehren sie wieder, die Toten. Manchmal nach mehr als sieben Jahrzenten kommen sie heraus aus dem Eis und liegen am Rand der Moräne, ein Häufchen geschliffener Knochen und ein Paar genagelter Schuhe.

W. G. SebaldDie Ausgewanderten - Dr. Henry Selwyn. Fischer (1994).


E com isto terminei um conto do Sebald e estou contente.

9.16.2012

I was counting the blades of grass

Sprachlos betrachteten wir lange diese inabfallenden und ansteigenden Stufen den Blick in die Ferne ziehende Anlage und glaubten ganz allein zu sein, bis wir in dem Halbschatten, der von einer hohen Zeder in der südwestlichen Ecke des Gartens auf den Rasen gebreitet wurde, eine regungslose Gestalt liegen sahen. Es war ein alter Mann, der den Kopf aud den angewinkelten Arm gestützt hatte und ganz versunken schien in den Anblick des Fleckchens Erde unmittelbar vor seinen Augen. Wir gingen quer über die Rasenfläche, die uns jeden unserer Schritte mit einer wunderbaren Leichtigkeit machen ließ, auf ihn zu. Aber erst als wir uns ihm bis auf weniges genähert hatten, bemerkte er uns und erhob sich nicht ohne eine gewisse Verlegenheit. Obzwar groß gewachsen und breit in den Schultern, wirkte er untersetzt, ja, man hätte sagen können, wie ein ganz kleiner Mensch. Es kam dies vielleicht daher, daß er, wie sich bald erweisen sollte, stets eine goldene Lesebrille mit Halbgräsern trug, über deren Rand er mit gesenktem Kopf hinwegsah, wodurch ihm eine gebeugte, fast bittstellerische Haltung zur Gewohnheit geworden sein mußte. Das weiß Haar hatte er zurückgekämmt, doch fielen ihm einzelne Strähnen immer wieder in die auffallend hohe Stirn. I was counting the blades of grass, sagte er zur Entschuldigung für seine Gedankenverlorenheit. It's a sort of passtime of mine. Rather irritating, I am afraid. Er strich eine der weißen Strähnen zurück. Ungelenk und zugleich vollendet waren seine Bewegungen; von einer längst außer Gebrauch gekommenen Verbindlichkeit auch die Art, in der er sich uns vorstellte als Dr. Henry Selwyn. Wir seien gewiß, setzte er hinzu, der Wohnung wegen gekommen. Soviel er zu sagen vermöge, sei sie noch nicht vergeben, doch müßten wir uns in jedem Fall bis zur Rückkunft von Mrs. Selwyn gedulden, denn sie sei die Besitzerin des hauses, er hingegen nur ein Bewohner des Gartens, a kind of ornamental hermit. Im Verlauf des Gesprächs, das sich an diese ernsten Bemerkungen anschloß, waren wir den eisernen Zaun entlanggegangen, der den Garten vom offenen Parkland trennte. Wir heilten ein wenig ein. Um ein kleines Erlegehölz herum kamen drei schwere Schimmel, schnaubend und um Trab Wasen aufwerfend. Erwartungsvoll nahmen sie Aufstellung bei uns. Dr. Selwyn gab ihnen Futter aus seiner Hosentasche und fuhr ihnen mit der Hand über die Nüstern. Sie essen, safte er, bei mir das Gnadenbrot. Ich habe sie im vorigen Jahr für ein paar Pfund auf der Pferdeauktion gekauft, von der sie bestimmt in die Abdeckerei geraten wären. Sie heißen Herschel, Humphrey und Hippolytus. Über ihr Vorleben ist mir nichts bekannt, aber sie haben, als ich sie erstand, arg ausgesehen. Ihr Fell war von Milben befallen, ihr Blick getrübt, und die Hufe sind vom vielen Stehen in einem nassen Feld ganz ausgefranst gewesen. Inzwischen, sagte Dr. Selwyn, haben sie sich einigermaßen erholt, und es bleiben ihnen vielleicht noch ein paar gute Jahre. Dann verabschiedete er sich von den sichtlich von großer Zuneigung zu ihm bewegten Pferden und promenierte mit uns, ab und zu und stehenbleibend und in dem, wovon er sprach, ausführlicher werdend, zu den entlegeneren Teilen des Gartens. Durch das Gebüsch an der Südseite des Rasens führte ein Pfad zu einem von Haselsträuchern gesäumten Gang. In dem Gezweig, das über uns zu einem Dach sich schloß, trieben graue Eichkatzen ihr Unwesen. Der Boden war dicht übersät mit den Schalen der aufgebrochenen Nüsse, und Herbstzeitlose zu Hunderten fingen das schüttere Licht auf, das durch die trocken schon raschelnden Blätter hereindrag. Der Haselgang endete bei einem tennisplatz, an dem eine geweißelte Ziegelmauer entlanglief. Tennis, sagte Dr. Selwyn, used to be my great passion. But now the court has fallen into disrepair, like so much else around here. Nicht nur der Küchengarten, fuhr es fort, indem er nach den halbverfallenen viktorianischen Grashäusern und den ausgewachsenen Sparieren hinüberwies, nicht nur der Küchengarten sei nach Jahren der Vernachlässigung am Erliegen, auch die unbeaufsichtigte Natur, er sp]ure es mehr und mehr, stöhne und sinke in sich zusammen unter dem Gewicht dessen, was ihr aufgeladen werde von uns.

W. G. Sebald. Die Ausgewanderten - Dr. Henry Selwyn. Fischer (1994).

Athanasius Kircher


Hymno à polymathia.

9.15.2012

es ist ein Land verloren (2)

Wir haben unsere Heimat verloren, und damit die Vertrauheit des täglichen Lebens. Wir haben unsere Arbeit verloren, und damit die Überzeugung, in dieser Welt nützlich zu sein. Wir haben unsere Sprache verloren, und damit die Selbsverständlichkeit der Reaktionen, die Eindeutigkeit der Gesten, den ungekünstelten Ausdruck von Gefühlen. Wir haben unsere Verwandten in den polnischen Ghettos gelassen, und unsere besten Freunde sind in Konzentrationslagern ermordet worden, und das bedeutet das Zerbrechen unseres privaten Lebens.

Hannah Arendt

9.14.2012

am gefährlichen Morgenrot
entfalten sich die Sprachen
wie die Herbstblumen wachsen
nicht in der Zeit. was für uns
noch bleibt, welche lange
ausgesprochene Tone geben
uns den Augenblick zu? hier
gibt es keinen Tod, doch
keinen Sommer. Komm,
oder bleibe, wie dem auch sei
Ich warte.

9.12.2012

Notas sobre a Grécia

Sobre isto.

Antes a tyrannia dos mortos do que a tyrannia dos vivos. Antes não escrever por se ter lido Ésquilo do que escrever sem se ter lido Ésquilo. Como Ulíxes, fazemos os mortos falar dando-lhes de beber do nosso sangue. É mais que natural que haja quem morra de haemorrhagia. Mas o caminho de volta para casa, que eles nos ensinam, é deles que o aprendemos. Triumpe Triumpe Triumpe.

9.10.2012

dois poemas alemães

Ler de manhã e de noite

Aquele que eu amo
Disse-me
Que precisa de mim.
Por isso
Eu tenho cuidado comigo
Presto atenção ao caminho
E temo que uma gota de chuva
Me possa matar.


Morgens und abends zu lesen

Der, den ich liebe,
Hat mir gesagt,
Daß er mich braucht.
Darum
Gebe ich auf mich acht
Sehe auf meinen Weg
Und fürchte von jedem Regentropften
Daß er mich erschlagen könnte.

Bertold Brecht



Aufhebung

A sua desgraça
Poderiam expirar
expirar profundamente
para se poder voltar
a inspirar

E talvez também poderiam
dizer a desgraça
com palavras
com palavras a sério
que formem um conjunto
e que façam sentido
e que se possam se calhar
até perceber
ou que haja ao menos
quem que ou as perceba
ou as possa perceber
E possam chorar
Isso seria bom
quase como
Graça


Erich Fried


Aufhebung

Sein Unglück
ausatmen können
tief ausatmen
so dass man wieder
einatmen kann

Und vielleicht auch sein Unglück
sagen können
in Worten
in wirklichen Worten
die zusammenhängen
und Sinn haben
und die man selbst noch
verstehen kann
und die vielleicht sogar
irgendwer sonst versteht
oder verstehen könnte
Und weinen können
Das wäre schon
fast wieder
Glück

Traduções minhas.

9.09.2012

Du lieber Heiland du

Nos primeiros textos que segui em alemão conta-se o libretto da Matthäus-Passion. Lia e não percebia, e aprendia mal, e confundia-me, e maravilhava-me. Lembro-me duma aula onde, quando a professora explicava várias das variantes de das Land, como Ausland, Heimland, etc, ter perguntado sobre Heiland? Olhou para mim confusa e após isso explicou que Heiland era um termo religioso. Na realidade, sei-o agora, refere-se a Jesus Christo, e mutatis mutandis traduz Salvador.

Du lieber Heiland du,
Wenn deiner Jünger töricht streiten,
Daß diese fromme Weib
Mit Salben deinen Leib
zum Grabe will bereiten,
So lasse mir inzwischen zu,
Von meiner Augen Tränenflüssen
Ein Wasser auf dein Haupt zu gießen!

Meu querido Salvador,
Mesmo que os teus tolos discípulos protestem
Que esta mulher virtuosa
Queira ungir o teu corpo
E prepará-lo para a tomba,
Permite-me que entretanto
Tome dos meus olhos uma corrente de lágrimas
E como água na tua cabeça a derrame! (trad. minha)



ἔνια

καίπερ ἤδη σιγῶ οὐκέτι τῆς τοῦ οὐδέποτε ὀφθέντος νεωρίου ἐπιθυμίας πέπαυκα. ἐν ταῖς πόλεσι ἐν ταῖς ἄνευ τῆς ἐπιμελετείας σου ὀμῶς  τοῦ τὴν ἰδεῖαν σου νωῒ φρούρειν λήγειν οὐδαμῶς ἐφίεμαι. ἔσται τοῦτο σχέδον τὸ ἀνέλπιστον ἀριστον, τὸ ἐξιέναι πάντα οὐκ ἐν σώματος εἰκόσι φυλάσσοντα ἀλλὰ ἐν ψυχῆς. τοῦτο νῦνδε γράφω διότι σοι μέλος τι ἔστι ὃ διὰ σε συνεχῶς ἠκηκόη, ἡ οὖν τότε ἐλπίς σὺν τοῖς αὐτοῦ λογίοις ἐξήγρετο. οὐκ οἶδα ὁπότερον με πάλιν πρός αὐτο ἐφιέναι χρῆ μετὰ σε ἢ ἄνευ, ἤδη δὲ ἀκούσειν διεκρινάμην.

Ungeliebte Moderne


Theoretischer Radikalismus im 20. Jahrhundert.
Vorlesungen von der Albert-Ludwigs-Universität Freiburg
um Weber, Freud, Ernst Jünger, Ernst Bloch, Lukács, Carl Schmitt, andere.

9.03.2012

Χαίλντερλιν

Hoje pela primeira vez li uma ode do Hölderlin sem dicionário e chorei. Foi por ele que quis aprender este língua, é por ele que há anos que no fundo da minha mochila vai uma cópia desgrenhada com Gedichte na capa na qual — até agora — raro me atrevia a tocar. Am nächsten, τοῦτο.

9.01.2012

Wahr spricht, wer Schatten spricht.


SPRICH AUCH DU


Sprich auch du,
sprich als letzter,
sag deinen Spruch.

Sprich -
Doch scheide das Nein nicht vom Ja.
Gib deinem Spruch auch den Sinn:
gib ihm den Schatten.

Gib ihm Schatten genug,
gib ihm so viel,
als du um dich verteilt weißt zwischen
Mittnacht und Mittag und Mittnacht.

Blicke umher:
sieh, wie's lebendig wird rings -
Beim Tode! Lebendig!
Wahr spricht, wer Schatten spricht.

Nun aber schrumpft der Ort, wo du stehst:
Wohin jetzt, Schattenentblößter, wohin?
Steige. Taste empor.
Dünner wirst du, unkenntlicher, feiner!
Feiner: ein Faden,
an dem er herabwill, der
um unten zu schwimmen, unten,
wo er sich schimmern sieht: in der Dünung
wandernder Worte.


Paul Celan

Celan ahmt Hölderlin nach

(Nah ist
Und schwer zu fassen der Gott. - H.)

TENEBRAE


Nah sind wir, Herr,
nahe und greifbar.

Gegriffen schon, Herr,
ineinander verkrallt, als wär
der Leib eines jeden ovn uns
dein Leib, Herr.

Bete, Herr,
bete zu uns,
wir sind nah.

Windschief gingen wir hin,
gingen wir hin, uns zu bücken
nah Mulde und Maar.

Zur Tränke gingenwir, Herr.

Es war Blut, es war,
was du vergossen, Herr.

Es glänzte.

Es warf uns dein Bild in die Augen, Herr.
Augen und Mund stehn so offen und leer, Herr.
Wir haben getrunken, Herr.
Das Blut und das Bild, das im Blut war, Herr.

Bete, Herr.
Wir sind nah.


Paul Celan

8.29.2012

Statim post hebraicam!



Ciò che di me sapeste
non fu che la scialbatura,
la tonaca che riveste
la nostra umana ventura.

Ed era forse oltre il telo
l'azzurro tranquillo;
vietava il limpido cielo
solo un sigillo.

O vero c'era il falòtico
mutarsi della mia vita,
lo schiudersi d'un'ignita
zolla che mai vedrò.

Restò così questa scorza 
la vera mia sostanza; 
il fuoco che non si smorza 
per me si chiamò: l'ignoranza. 

Se un'ombra scorgete, non è 
un'ombra - ma quella io sono.
Potessi spiccarla da me, 
offrirvela in dono.

Eugenio Montale. Trovato qui.

8.28.2012


Tu es le battement du cœur
que j'écoute sous mes côtes
et le souffle suspendu

Georges Bataille. L'Archangélique et autres poèmes. Gallimard (2008).

8.24.2012

Marrota, chiude l'Istituto per gli Studi filosofici




Quid verbis, cum imis quassantur ab fundamentis etiam hae totius humani cultus arces, quibus nec robur manet membris pecuniarium quo usae possint ne dicam aliis sed vel sibi ipsis consulere. Est mihi honori admorum quod potuissem olim ab Marotta hoc oretenus ediscere, multotiesque multa et magna quidem de ejus Instituto per gli Studi filosofici studiosissime audivi. Immo et nuperrime Romae condida est sedes romana istius Instituti, nec patet sufficit domui matri. Omnibus adhuc cultui et litteris fautoribus dies aterrimus.

8.21.2012

Beethoven op.111



[Kretzschmar] remained seated on his revolving stool, turned towards us, hands between his knees, in a position the same as ours, and with a few words concluded his lecture on the question of why Beethoven had not written a third movement to Opus 111. We had needed only to hear the piece, he said, to be able to answer the question ourselves. A third movement? A new beginning, after that farewell? A return - after that parting? Impossible! What had happened was that the sonata had found its ending in its second, enormous movement, had ended never to return. And when he said, "the sonata," he did not mean just this one, in C minor, but he meant the sonata per se, as a genre, as a traditional artform — it had been brought to an end, to its end, had fulfilled its destiny, had reached a goal beyond which it could not go; canceling and resolving itself, it had taken its farewell — the wave of goodbye from the D—G—G motif, consoled melodically by the C-sharp, was a farewell in that sense, too, a farewell as grand as the work, a farewell from the sonata.

Thomas Mann. Doctor Faustus. John E. Woods (trad). Vintage International: Nova Yorque (1999).


The wealth of critical writing on the last sonatas and quartets reveals a greater preponderance of nonsense, not to mention contradiction, than any comparable literature. The giddy heights to which these absurdities can wing have been realised by several contemporary novelists, notable offenders being Thomas Mann and Aldous Huxley.

Glenn Gould, citado no folheto do CD (Beethoven Piano Sonatas nos. 30-32, Glenn Gould 1956. Naxos Great Pianists 2008).

8.20.2012

Maiúsculas

Uma característica curiosa das convenções editoriais italianas é a maiusculização das palavras. Ao contrário de nós, que temos por hábito pôr a maiúscula nas "palavras de interesse significativo", o italiano é mais espinosista. A primeira letra duma frase, ou dum livro, aparece em maiúscula, o resto é tudo corrido a letra pequena, exceptuando-se nomes próprios. Enquanto nós escreveremos Se Isto é um Homem, em italiano é mais correcto Si questo è um uomo. Se nós escrevemos A República de Platão, em italiano faz sentido La repubblica di Platone. A consequência mais marcante é que há uma espécie de foice de Thrasýbulo, o tyrano que Heródoto narra recebera o conselho de aniquiliar a aristocracia da sua cidade ao ouvir a história de como o sábio Periandro caminhara pelo meio do trigo cortando as espigas que sobressaíam em altura. Ao citar livros em italiano, não pensamos em quais palavras serão importantes: será o Isto importante? o Um? Uma palavra terá o seu valor syntático, fora disso não há palavras mais importantes an sich. Tudo se reduz, tudo é igual. Platonismo orthográphico.

8.13.2012

stones, water, fire, and earth shall be transformed to spirit

The voice of [Origen the] Alexandrinian is more like that glowing, rainless desert wind that sometimes sweeps over the Nile delta, with a thoroughly unromantic passion: pure, fiery gusts. Two names come to mind in comparison: Heraclitus and Nietzsche. For their work too is, externally, ashes and contradiction, and makes sense only because of the fire of their souls which forces their unmanageable material into a unitu and, with a massive consumption of fuel, leaves behind it a fiery track straight across the earth. Their passion, however, stems only from the Dionysian mystery of the world. But here, in Origen, the flame shoots out and darts upward to the mystery of the super-wordly Logos-WORD which fills the face of the earth only to be itself baptized in this fire, to be ignited and transformed into the Spirit.

Karl Barth. in Origen: Spirit & Fire. Robert J. Daly (trad). Catholic University of America Press. (1984)

8.06.2012


[1.16]
SIM, a Sabedoria.
Mas primeiro respeitar o Mistério.

[2.26]
E o Mais Desaparecido é o que Aparecerá com mais força.





Gonçalo M. TavaresInvestigações. Novalis. Difel (2002).

8.03.2012

Dame, a vous sans retollir


Dame, a vous sans retoillir
Dong cuer, pensèe, desir,
corps et amor,
Comme a toute la millour
Qu’on puist choisir
Ne qui vivre ne morir
Puist a ce jour.

Si ne me doit a folour
Tourner, se je vous aour
Car sans mentir,
Bonte passes en valour,
Toute flour en douce odour
qu’on puet sentir.
Votre biaute fait tarir
Toute autre et anientir,
Et vo doucour passé tout;
rose en colour
Vous doi tenir,
Et vo regars puet garir
Toute dolour.

Pour ce, dame je m’atour
De tres toute ma vigour
A vous servir,
Et met sans nul villain tour,
Mon cuer, ma vie et m’onnour
En vo plaisir.
Et se pitè consenter
Wuet que me daigniez oir
En ma clamour,
Je ne quier de mon labour
Autre merir,
qu’il ne me porroit venire
Joie gringnour.

Dame, ou sont tuit mi retour,
Souvent m’etuet en destour
Pleindre et gemir,
Et, present vous, descolour,
quant vous ne savez l’ardour
qu’ay a souffrir
Pour vous qu’aim tant et desir,
que plus ne le puis couvrir.
Et se tenrour
N’en avez, en grant tristour
M’estuet fenir.
Nompourquant jusqu’au morir
Vostres demour.

8.01.2012

MNEMOΣYNΗ

O filme (2009) do Hans-Jürgen Syberberg da leitura de Edith Clever do poema Mnemosyne do Hölderlin. Não me consigo decidir se isto é hystérico ou se é a maior leitura dum poema que alguma vez ouvi, mas é provável que a segunda hypóthese esteja bastante mais perto. O vídeo encontra-se originalmente na página do próprio Syberberg, onde está também acessível o monumental Hitler, ein Film aus Deutschland (1977). 




Mnemosyne

Reif sind, in Feuer getaucht, gekochet
Die Frücht und auf der Erde geprüfet und ein Gesetz ist,
Daß alles hineingeht, Schlangen gleich,
Prophetisch, träumend auf
Den Hügeln des Himmels. Und vieles
Wie auf den Schultern eine
Last von Scheitern ist
Zu behalten. Aber bös sind
Die Pfade. Nämlich unrecht
Wie Rosse, gehn die gefangenen
Element und alten
Gesetze der Erd. Und immer
Ins Ungebundene gehet eine Sehnsucht. Vieles aber ist
Zu behalten. Und not die Treue.
Vorwärts aber und rückwärts wollen wir
Nicht sehn. Uns wiegen lassen, wie
Auf schwankem Kahne der See.

Wie aber Liebes? Sonnenschein
Am Boden sehen wir und trockenen Staub
Und heimatlich die Schatten der Wälder und es blühet
An Dächern der Rauch, bei alter Krone
Der Türme, friedsam; gut sind nämlich,
Hat gegenredend die Seele
Ein Himmlisches verwundet, die Tageszeichen.
Denn Schnee, wie Maienblumen
Das Edelmütige, wo
Es seie, bedeutend, glänzend auf
Der grünen Wiese
Der Alpen, hälftig, da, vom Kreuze redend, das
Gesetzt ist unterwegs einmal
Gestorbenen, auf hoher Straß
Ein Wandersmann geht zornig,
Fern ahnend mit
Dem andern, aber was ist dies?

Am Feigenbaum ist mein
Achilles mir gestorben,
Und Ajax liegt
An den Grotten der See,
An Bächen, benachbart dem Skamandros.
An Schläfen Sausen einst, nach
Der unbewegten Salamis steter
Gewohnheit, in der Fremd, ist groß
Ajax gestorben,
Patroklos aber in des Königes Harnisch. Und es starben
Noch andere viel. Am Kithäron aber lag
Elevtherä, der Mnemosyne Stadt. Der auch, als
Ablegte den Mantel Gott, das Abendliche nachher löste
Die Locken. Himmlische nämlich sind
Unwillig, wenn einer nicht die Seele schonend sich
Zusammengenommen, aber er muß doch; dem
Gleich fehlet die Trauer.

Friedrich Hölderlin

7.31.2012

I felt a vigour in my sense / That was all spirit.

[...]
And while my God did all his glories show,
I felt a vigour in my sense
That was all spirit. I within did flow
With seas of life, like wine;
I nothing in the world did know
But 'twas divine.
[...]

Thomas Traherne. Wonder.


I desire for myself and for all who live, may live, without being tormented by a puriticanical conscience, an ever-greater spiritualization and multiplication of the sensees; indeed, we should be grateful to the senses for their subtlety, plenitude, and power and offer them in return the best we have in the way of spirit.

Nietzsche. The Will to Power §820. Walter Kaufmann & R.J. Hollingdale (trad). Vintage Books (1968).

Ver ainda todo o poema do mesmo Thomas Traherne A Serious and Pathetical Contemplation of the Mercies of God.

7.30.2012

Matona, mia cara

Wo aber Gefahr ist, wächst / Das Rettende auch.

A "explicação" não é um processo racional, é um labirinto do qual se tem de encontrar uma saída (e também a mitologia grega é convocada, com homens angustiados, como Teseu e Sísifo). Nada daquilo que o poeta procura é uma evidência, e são várias as alusões à solidão do catre, à aflição e ao pavor de quem espera não se sabe o quê:
Não tinha nada donde vim. Aqui não encontrei
O que tive e a cadeira não serve o meu repouso.
Ainda não há lugar no mundo onde possa sossegar de tu não seres
O vazio que persiste à minha beira.
O "conforto" da fé mais se parece com um perigo. Mas onde cresce o perigo cresce também aquilo que salva, como escreveu outro poeta.

Pedro Mexia. Recensão a Poesia de Daniel Faria. Expresso/Atual. 28 Julho 2012.


E o que lembramos? Aeschylos. Simone.

O vigia que escuta. O escravo à porta que espera. O amo já morto. Agamémnon que volta. E que morrerá.

7.28.2012

A lógica do demo

Ainda estou por conhecer alguém de sábios conselhos que leve a sério a tradução da Comédia do Vasco Graça Moura, embora deixe em aberto a possibilidade de existirem bem escondidos. Entre uma syntaxe convoluta quando não mesmo hermética, usos injustificados de vocabulário antiquado, e deturpações gratuitas do sentido que vão muito além da licensa poética que um projecto como este se propõe, resta-nos esperar que o deus a que Graça Moura tudo isto sacrificou — a Sancta Dýade Métrica-Rima — se sinta honrado e apaziguado. Para nós restantes mortais resta-nos concluir com pesar que a única tradução do épico de Dante existente no mercado é francamente má. Volta e meia dou por mim a tirar de novo essa triste conclusão - de cada vez que caio no oblívio e volto por alguma razão a folhear o tomo - algo tornado fácil por algo que é uma das poucas virtudes do livro, a saber a presença bilingue do original italiano.

O catalysador foi desta leva este post n'a namorada de wittgenstein. Instintivamente lembrei-me do canto XXVII do Inferno, aquele que é, na sequência do anterior XXVI onde se narra a ousadia de Ulisses, sem sombra de dúvida um dos mais belos cantos do primeiro terço da Comédia. T.S. Eliot parece ter concordado, pois que escolheu abrir The Love Song of J. Alfred Prufrock com versos de lá tirados - que foram, aliás, com grande probabilidade as primeiras palavras que alguma vez li em italiano.

S'io credesse che mia risposta fosse
a persona che mai tornasse al mondo,
questa fiamma saria senza più scosse.*
Ma perciò che giammai di questo fondo
Non tornò vivo alcun, s'io od' il vero,
Senza tema d'infamia ti rispondo.
Inferno XXVII 61-66

Pudesse eu crer minha resposta fosse
a pessoa que um dia torne ao mundo,
não daria esta chama tanto couce;*
mas dado que jamais cá deste fundo
vivo se regressou, se és verdadeiro,
sem ter medo de infâmia te secundo.
(VGM)

Se eu acreditasse que estaria a responder
A alguém que voltaria um dia ao mundo,
Esta chama não se voltaria a agitar.*
Mas visto que nunca antes deste fundo
Regressou alguém vivo, se o que eu ouço é verdade,
Sem temor de infâmia te respondo.
(Tradução minha mais literal.)

* Neste círculo do inferno descrevem-se os mortos envoltos em chamas que, ao falar, tremeluzem.

Quem continua a falar é o maravilhoso Guido da Montefeltro, monge-mercenário, que após se arrepender da sua carreira de bandido e de malfeitor decide assumir ordens e tornar-se monge franciscano. A sua salvação estaria garantida, não fosse pelo momento em que o Papa Bonifácio VIII lhe exige que lhe revele as insídias necessárias para deitar por terra Penestrino. Guido hesita, mas o papa termina

"Lo ciel poss'io serrare e diserrare,
come tu sai; però son due le chiavi
che 'l mio antecessor non ebbe care."
Allor mi pinser li argomenti gravi
là 've 'tacer mi fu avviso 'l peggio,
e dissi: "Padre, da che tu mi vali
di quel peccato ov'io mo cader deggio,
lunga promessa con l'attender coro
ti farà trïunfar ne l'alto seggio."
103-111

O céu posso eu cerrar e descessar,
como sabes; a tal há duas chaves
que o meu antecessor não quis guardar."
Então me levam argumentos graves
a  pensar que calar-me era o pior,
e disse: "Padre, desde que me vales
desse pecado onde ora eu cair for,
longa promessa e curto desconforto
na alta sede em triunfo de hão-de pôr."

(Tradução de VGM, com a qual não tenho grandes problemas fora o bizarro "curto desconforto" onde o italiano tem "l'attender corto", ou seja, algo como "cumprir apenas a curto prazo", referindo-se a quebrar juras, algo ao qual na tradução do VGM nem se alude.)

Fiando-se portanto nos poderes divinos do trono papal, Guido da Montefeltro ajuda o Papa. Eis se não quando falece, e quando S. Francisco está para o carregar até aos céus aparece um demónio que o nega, com o argumento mathemático de que

"ch'assolver non si può chi non si pente,
ne pentere e volere insime puossi
per la contradizion che non consente." 118-120

"não há perdão sem arrependimento,
nem vontade a remorso junta é dado,
não dá a contradição consentimento"
(VGM)

"não se ponde absolver quem se não arrepende,
nem se pode arrepender e querer ao mesmo tempo
pois não a contradição não o consente."
(Minha)

E no pasmo de Guido quando se apercebe que o diabo usava um argumento escolástico e espacial, remata

"Forse
tu non pensavi ch'io löico fossi!"
122-123

"Talvez
lógico não me penses consumado!"
(VGM - frase absolutamente incompreensível - para mim ao menos, fatebor enim, - sem o recurso ao italiano, que é simples e cristalino e sem qualquer ambiguidade.)

"Talvez
não julgasses que eu fosse um lógico!"

O que para além de anunciar o malogro dos truque do Guido da Montefeltro, sugere que possa haver algo de veramente diabólico na lógica, que na era de Dante, com o nascimento do escolasticismo, estava a fazer o seu retorno pela pena de Aristóteles. Não sei como é que vou dizer isto aos professores de Lógica Simbólica.

7.27.2012

Per tropo fede




Per tropo fede talor se perigola! 

Non è dolor nè più mortale spàsemo,
come sença falir cader ne biàsemo,
el ben se tacie e lo mal pur se cigola.

Lasso colui che mai si fidò in fémena,
chè l'amor so veneno amaro sèmena,
onde la morte spesso se ne spigola. 

Oimè, ch'Amor m'à posto in cotal àrcere,
onde convienne ognor làgreme sparçere,
si che doglia lo mio cor formìgola.

dies ventus

nam veniet,
veniet certo,
veniet dies
quo sermo erit
inter negantes nuntios,
cum sint per vepres tracti
proni, veniam indesinenter
postulantes nullus.
inter eos et nos non erunt
voces, quamvis quasdam
emittam quippe obscaenas, quas
jam audisti in principio. earum
nullae pervenient: cassae
buccae, tamen quo jure
impleres? sunt ora paventium
speciosa, tuave praesertim
dixerim, nec litterae
hae indignae sunt
quas scindas. veniam,
scis, petens veniam.

7.20.2012

Theodikeias

Lemos no nono libro dos Gesta Francorum uma muito inesperada história: Quando Antioquia cai, Guido de Taranto desespera e dirige-se a Deus, Deus verus, chama-o, para lhe anunciar algo: se a derrota do seu exército que lhe fora anunciada tiver realmente acontecido, se a expedição feita para liberar o Santo Sepulcro porque Deus vult tiver sido realmente esmagada, eles deixarão de ser cristãos “nós e os outros Cristãos abandonar-te-emos, não mais te celebraremos, e jamais seremos ouvidos a invocar de novo o teu nome.” Este tipo de chantagem com o divino é rara na era cristã – indoctus como sou confesso até ter sido esta a primeira vez que a testemunho–, embora faça todo um maior sentido em tempos mais antigos. Pois então um deus tinha o propósito firme de proteger os seus cultores, fosse de inimigos fosse de si próprio (aquilo a que se chama “ritual apotropáico” não é mais que o taxa de protecção paga ao deus mafioso). A partir do momento em que essa protecção deixava de funcionar, podia pôr-se em causa a validade da religião; um povo vencido podia sentir-se justificado a trocar de deuses, um raciocínio que vemos presente até na christianização da Britânnia (testemunha-o Beda no livro II da Historia Ecclesiastica). Um lateral mas curioso pormenor consiste ainda em notar como a máquina de culto romana assentou em grande força na captação dos deuses vencidos incorporando-os e suplantando-os, numa Aufhebung avant la lettre: vencidos mas nossos.

Esta mentalidade de infidelidade para com os deuses assenta em dois fundamentos theológicos: o primeiro é a distinção entre deus e providência: para conceder aos deuses vontades potentíssimas que pudessem entre si colidir e ao mesmo tempo conciliar isso com uma crença no fatum, era impossível que a vontade de um deus em particular fosse identificada com o destino: a parte de longe mais interessante da literatura grega, desde a moira de Aquiles à morte anunciada de Hipólito nascem deste tensão dificílima que para os gregos jamais foi resolvida e que permite que grande parte das Eddas narre a saga de Ódin para conhecer o seu próprio destino e dos restantes deuses. Os romanos acolheram o espírito estóico dum logos simultaneamente sobrehumano e sobredivino e conflagraram a sua religião numa despersonalização progressiva dos deuses, até se chegar ao ponto onde nem mesmo as forças mais armipontentes como o será a Juno da Aeneida podem ferir o destino a partir do instante em que sic volvere Parcae - é ainda graças a esta atitude romana perante os deuses que permitiu que a Idade Média acolhesse este paganismo de philósophos, e que os grandes problemas theológico-poéticos da Renascença começassem aquando da leitura dos clássicos literários gregos (o syncretismo de Pico jamais compreenderia Sóphokles). Esta religião romana seguiu o percurso da despersonalização das divindades e da sua transformação em forças cósmicas: quando Júpiter fala na Aeneida, não fala com o achego caloroso do Zeus de Sarpédon, mas sim como alguém que contempla a História como uma obra de arte, bela até mesmo ou talvez porque horrível, como Aristóteles. Os grandes gritos de dor de Hipólito que pergunta a Ártemis porque não salvou o seu cavaleiro não são respondidos com uma justificação de theodiceia, mas sim com a vontade contrária de Vénus, mas é ainda assim permitido a Hipólito receber a fraca consolação de que será vindicado aquando do assassinato futuro de Adónis às mãos de Ártemis, num dia em que será a vez de Cípris se ver impotente perante a vontade da deusa contrária. Os estóicos tomaram a via contrária, a via da theodiceia absoluta, desumana porque inumana, despreocupada porque destacada, e onde o sofrimento ou a glória humana carecem de explicação na mesma medida em que a contracção das forças físicas carecem de explicação: a diferença entre Epicuro e Zenão, entre o riso olýmpico e distante dos deuses primeiras e o deus espinosista do segundo não está tão distante assim.

O Deus estóico, a Razão que vigia, está para além da preocupação e da cura assim como está para além do bem e do mal. Alasdair McIntyre diz no seu After Virtue que a filosofia estóica teria tido uma muito maior força no pensamento ocidental via a sua crença numa Lei suprema a que tudo obedece não tivesse desaguado na grande amálgama que era o império uma corrente legalista ainda mais forte, o hebraísmo de Israel. Israel passa pelas duas correntes aqui nomeadas. No Pentateuco vêmo-la combativa in nomine dei contra povos adversos, em batalhas contra os quais a potência e a legitimidade das divindades viria a ser estabelecida. Sede a dextris meis, donec ponam inimicos scabellum pedum tuorum. Aqui os israelistas não diferem substancialmente dos povos gentios aos quais eu aludia. Narra Freud no Moisés e o Monoteísmo a tensão entre o povo violente dos adoradores de Javeh e a crença theológica e monotheísta que crescera no Egipto sob o nome de Akhenaton. No José e os Seus Irmãos, Thomas Mann antecipa-se a Freud e traça mýthicamente a experiência egíptia de Akhenaton à presença de José enquanto Grão-vizir, mas, a termos que escolher a històricamente mais provável é eligenda a hypóthese de Freud. Mas Freud imagina que a errância dos 40 anos no deserto se deveria à penitência pelo assassinado de Moisés, duma moral demasiado dura e exaltada para que se pudesse verdadeiramente viver com ela sem viver na schizophrenia causada pelas suas exigências sobrehumanas, como mais tarde diagnosticará Luthero no seu Sobre a Liberdade do Christão.

Pelo menos no que eu sou capaz de perceber, identificamos duas correntes na Bíblia hebraica, a primeira uma theologia de força, duma divindade triumphante, que a ter sido seguida nas suas consequências naturais teria relegado o povo judeu para o pó da história, como aconteceu a tantas outras nações. Quando Israel é derrotada pelo império da Babylónia, o templo é destruido, e a fina-flor de Israel é levada no dito 'captiveiro da Babylónia', este podia ter sido o fim: Deus não nos protegeu, a nós o seu povo eleito, logo Deus ou não é deus ou não é o nosso deus. Não foi este o caminho escolhido, mas sim aquele traçado mais notavelmente em Ezequiel, onde a notação dum percurso inescrutável do destino (que teria muito de comum com a noção estóica) se combina com a noção dum deus pessoal, que como deus pessoal e omnipotente teria de ser igualmente justo, e como justo bom. Esta conclusão, a que chegará também por vias tortas Descartes, não carece de incongruências, como Job testemunha mais notavelmente, mas é apesar de tudo aquilo que permitirá ao povo Judeu sobreviver não só ao captiveiro da Babylónia como mais tarde ao falhanço da revolta de Bar Kokhba e à destruição do Segundo Templo, assim como aos séculos de sofrimento e pogrom constantes, à aventura de Sabattai-Sevi, até por fim a ferida se voltar a abrir, como nunca acontecera depois da destruição do Templo, com a poesia negra da Shoah, à qual todas as tentativas de responder falham, como a suposta “theologia do Holocausto” (este falhanço é também o tema do de outro modo medíocre God on Trial (2008), assim como virtualmente os opera omnia do George Steiner).

Esta maneira de pensar transfere-se para o pensamento theológico da christandade. Da justiça de Deus, da sua bondade, não faz parte qualquer concessão à cessação do sofrimento: Christo é aliás até mesmo entendido ele enquando um sacrifício, algo de infinitamente bom sacrificado em prol de um bom maior, por muito que os seus fiéis não compreendessem (e como poderia compreender? O Messias deveria abrir os céus e fazer de lá marchar doze legiões de anjos, e ao invés disso acaba pregado a um lenho). O que acontece é que este destacamento que existe no Christianismo primitivo entre divindade e vitória, entre sofrimento e justiça, permanece fiel à letra dos escritos apenas enquanto os Christãos são perseguidos ou em perigo de vida. Pois que nisso há de coragem, permanecer fiel a um deus enquanto todos os seus fiéis são trucidados. Tudo isto termina por culminar, dizem-me (pois nunca a li), na Civitas Dei, onde não só o sofrimento como também toda a existência terrena são relegadas à civitati hominis e portanto consideradas secundárias se não mesmo despiciendas em face à verdadeira existência, simultaneamente paralela e futura, na cidade de deus. Mas a partir do momento em que o triumpho do christianismo se faz político, e o desastre do saque de Roma é theologicamente compreendido quer no Ocidente quer no Oriente, a herança derrotista, a herança segunda a qual dar a outra face era preceito, desaparece, quer no Ocidente onde a propaganda fides tomará dentro em breve armas, quer no Oriente onde o Imperador permanecerá até ao fim o sacro detendor de todos os insignia imperii em nome de deus. (Os Judeus viviam durante este tempo em humilhação, portanto não é de admirar que mantivessem a theodiceia viva, como um instrumento necessário à sua sobrevivência enquanto povo.) A verdade é que o christianismo é humano, e é portanto de considerar que o polýtheismo, ou pelo menos a theologica do deus triumphante, sejam um estado religioso mais natural da humanidade, pois que sempre que a rédea é soltada, Deus transforma-se em conquistador, Christo em bandeira, e a propagação da fé do amor faz-se pela via das armas (em Coimbra há um graffiti bastante engraçado: “lutar pela paz é a mesma coisa que foder pela virgindade”).

Uma das peculiaridades mais interessantes do Christianismo é a maneira como é capaz de, embora na vitória se comporte como qualquer outra religião triumphante, ou pelo menos a massa de crentes, embora certamente os theólogos não sejam imunes à loucura da vitória in signo crucis (dando razão ao platonismo para o povo do nosso Fred), seja capaz de na derrota ressuscitar a sua theodiceia latente seja pela via estóica, crendo ser essa via natural das coisas, a vontade inescrutável de Deus como no-lo diz Paulo, ou por outro lado pelo caminho da auto-flagelação entrando em modo socrático de procurar-se a si mesmo, procurando os seus pecados e atribuindo a Deus a justiça de o ter castigado pelo seu orgulho, sobérbia, pecados, etc. O que é curioso é que isto transformaria a fé christiana virtualmente indestructível em combate, não fosse a mais recente investida não vir de uma outra religião mas sim da irreligiosidade e do atheísmo militante, embora mesmo aí haja sinais de punho fechado e estranhas posições de força.

É aqui que de certa forma entra em cena a cena dos Gesta Francorum com que abri este texto, com a posição profundamente pagã e polytheísta de Guido de Taranto, que decide pôr de parte o pensamento christão de justificação de deus a todo o custo para exigir a contrapartida lógica da sua lealdade: se partir numa expeditio cruce signata não é o bastante para assegurar a boa-vontade de Deus omnipotente, o que será? Por descrença ou desespero, Guido está pronto a abandonar deus. O curioso aqui é que não parece haver aqui qualquer reclame de glória pessoal, mas sim apenas um grito para que deus se ajude a si mesmo. Estamos muy longe do do ut des pagão. Guido não é um mártyr, pois que não exige para si glórias futuras depois da morte. É uma chantagem problemática, pois que tem Guido a ganhar com tudo isto? Parece-nos que nada, e a não ser que queiramos atribuir às suas afirmações um carácter literal – algo que é, apesar de tudo, possível, especialmente numa sociedade guerreira, talvez até ainda não totalmente separada do espírito do combate sem esperança com que Tolkien nos brinda em The Monsters and the Critics. Mas caso queiramos apostar numa leitura psychològicamente mais arriscada, podemos tentar acusar o bluff de Guido: tu amas o teu deus, caso contrário não estarias a lutar sem recompensas pela sua Jerusalém; não desejas realmente de maneira alguma abandoná-lo, e portanto a tua ameaça é chantagem. Chantagem com o quê em vista? Que Deus mude de opinião, e se salve a si mesmo. Colocar porém Deus entre a espada e a parede, mesmo em prol da glória do próprio Deus, é algo de muito arriscado. É preciso um amor muito forte para o fazer. O objectivo aqui é fazer Deus mover-se, mesmo que para isso seja necessário sacrificar-se a si mesmo. Nesta troca, depois de dissipada a nuvem da oferenda, Guido oferece a sua alma em troca de Deus decidir permitir que o Christãos libertem o Sancto Sepulchrum. Conheço apenas duas outras personagens em toda a história da litteratura e da theologia que ousaram um tão grande amor. Uma delas é a Weil, a outra é o seu antecessor espiritual, Judas Iscariotes. Nem os mártyres, nem mesmo o Christo, chegaram perto: pois que esses ofereciam o corpo em troca da alma, e depois de Platão essa é uma escolha fácil, não lhes custa nada. Mas a Weil, o Iscariotes, e agora o Guido, oferecem aquilo que de mais valioso têm, a alma, por amor. Não há maior sacrifício.

7.19.2012

Académica pancadaria

Tunc vero temporis dominus legatus cum Oxoniam adventasset, et honore summo, prout decuit, reciperetur, hospitatus est in domo canonicorum, scilicet abbatia de Oseneie. Clerici vero scholares eidem xenium honorabile in poculentis et esculentis transmiserimt ante prandii tempus. Et post prandium, ut eum salutarent et reverenter visitarent, ad hospitium suum venerunt. Quibus advenientibus, janitor quidam transalpinus, minus quam deceret aut expediret facetus, et more Romanorum vocem exaltans, et januam aliquantulum patefactam tenens, ait, "Quid quaeritis?" Quibus clerici, "Dominum legatum, ut eum salutemus." Credebant enim confidenter, ut essent honorem pro honore recepturi. Sed janitor, convitiando loquens, in superbia et abusione introitum omnibus procaciter denegavit. Quod videntes clerici, impetuose irruentes intrarunt; quos volentes Romani reprimere, pugnis et virgis caedebant ; et dum objurgantes ictus et convitia geminarent, accidit quod quidam pauper capellanus Hyberniensis ad ostium coquinae staret, et ut quippiam boni pro Deo acciperet, instanter, more pauperis et famelici, postulaverat. Quem cum magister coquorum legati (frater legati erat ille, et ne procuraretur aliquid venenosum, quod nimis timebat legatus, ipsum ipsi officio praefecerat, quasi homini specialissimo) audivit, nec exaudivit, iratus in pauperem, projecit ei scilicet in faciem aquam ferventem, haustam de lebete ubi carnes pingues coquebantur. Ad hanc injuriam, exclamavit quidam clericus de confinio Walliae oriundus, "Proh pudor! ut quid haec sustinemus? Et arcum, quern portavit, tetendit, (dum enim tumultus accreverat excitatus, clericorum aliqui arma, quae ad manus veneruut, arripuerant,) et ipse missa sagitta corpus coci, quem clerici satirice Nabuzardan, id est, principem coquorum, vocabant, transverberavit. Corruente igitur mortuo, clamor excitatur. Ad quem stupefactus legatus, et nimis perterritus timore qui posset in constantissimum virum cadere, in turrim ecclesiae indutus capa canonicali se recepit, seratis post terga ostiis. Ubi cum noctis opacae conticinium tumultum pugnae diremisset, legatus, vestimentis canonicalibus exutis, quum suum optimum ascendit expeditus, et ducatu eorum qui vada secretiora noverunt, amnem, qui proximus erat, licet cum periculo, transivit, ut ad protectionem alarum regis ocius avolaret. Clerici enim furia invecti legatum etiam in abditis secretorum latebris quaerere non cessabant, clamantes et dicentes; "Ubi est ille usurarius, simonialis, raptor reddituum, et sititor pecuniae, qui, regem pervertens, et regnum subvertens, de spoliis nostris ditat alienos?" Insequentium autem adhuc clamores cum fugiens legatus audiret, dixit intra se

"Cum furor in cursu est, currenti cede furori."

Et patienter omnia tolerans factus est sicut homo non audiens, et non hahens in ore suo redargutiones. Cum autem, ut praedictum est, amnem vix pertransisset, paucis, pro difficultate transitus, comitantibus, caeteris in abbatia latitantibus, ad regem [apud Abendone commorantem] anhelus et turbidus usque pervenit; et lacrimabiliter, singultibus sermones suos interrumpentibus, rei gestae ordinem, gravem super hoc reponens querimoniam, tam regi quam suis collateralibus explicavit. Cujus querulis sermonibus cum rex attonitus nimis compateretur, misit properanter comitem Waranniae cum armata manu Oxoniam, eos qui latuerant Romanos eripere et scholares arripere. Inter quos captus est truculenter magister Odo legista, et ipse cum aliis triginta vinculis et carceri in castro de Waligeford, quod non multum distat ab Oxonia, ignominiose mancipatus. Legatus vero contrito laqueo liberatus, episcopis convocatis nonnullis, Oxoniam supposuit interdicto et omnes illi enormi facto consentaneos excommunicavit. Postea in bigis, more latronum, ad arbitrium legati Londonias sunt transvecti, et ibidem carceri et vinculis arctaeque custodiae, redditibus spoliati et anathemate innodati, mancipantur.

Matthew Paris. Chronica Majora (in Millenium sive hic)

7.16.2012

Gut ist ein Gespräch

Wer lebt
in meinem Licht
ohne dass ich ihn kenne?
Manche,
wie Pindar war
gewöhnt an
in Inseln lügen,
sind besorgt.
Gehet

zu ihnen. Bleibt
aber versteckte,
und singt uns daher
vom Alter der See,
von Flüssen. Ich habe das Wort
gestohlen, das ihr gesprochen
wollte, mit wem Ihr sprecht mir
die Überreste des Lichtes ab,
als in Geheimnis. Was sägten
sie, wenn sie uns in diesem Unsinn
sähen? Wehe der Wissenschaft,
der helle. Deshalb waren die Grieche
im Unrecht ums Leben. Aber leider könnten sie einst

reden mit Göttern.
Sonst nicht, wären wir noch heute
unbewusst von Wahrheit. Ich weiß,
du hast Fremden
deinen Name gegeben. Sage mir nur,
als der Augenblick
kam, der Entscheidung
zwischen Mut und Können,
bist du ungerührt geblieben?
Ich habe dir das Gedicht
gespart, und danach bin ich
dein Feind geworden.

7.15.2012

Was Euch sagt ist alles zum
Gefängnis der Seele. Ich glaube
es nicht, aber wie können wir
sie nun töten, die Männer die
schweigende, wenn sie nicht zu uns reden
wollen? Alles is dann das Gefängnis der
Wahrnehmung, der Verrat. Steinschein
in Dunkeln. Das glaubt doch
niemand.

7.14.2012

Paul Klee

Para mim
é como se fosses do meu próprio sangue,
de tanto que te amo.
Desta vez sinto
o deus forte a meu lado.

Quero fazer-lhe,
ao curvar-me perante a sua lei,
um sacrifício.

Quero possuir-te,
mesmo que isso seja a tua
destruição e a minha.

O meu deus faz grandes feitos por mim.
Ele vigia-me no caminho da lei.

Amo-te como a mulher
que veio ter comigo,
comigo que medito nas trevas
com a candeia amiga.

Paul Klee. Poesie. Abscondita (2000) [1901]
Aqui, tradução minha.



Mir ist,
Du wärst mein eigen Blut,
so lieb' ich Dich.
Diesmal fühle ich
den starken Gott mit mir.

Ein Opfer will ich,
seinem Gesetz mich beugend,
ihm bringen.

Dich besitzen will ich,
und wär's Dein
und mein Verderben.

Mein Gott tut Großes an mir.
Er sieht mich auf der Bahn des Gesetzes.

Ich liebe Dich als das Weib,
das zu mir kam,
zu dem im Dunkeln Brütenden,
mit der freundlichen Lampe.

7.02.2012

that path on which alone gods will be encountered

The most fundamental point to be made about Nietzsche's notion of chaos is the following: only a thinking that is utterly lacking in stamina will deduce a will to godlessness from the will to a de-deification of beings. On the contrary, truly metaphysical thinking, at the outermost point of de-deification, allowing itself no subterfuge and eschewing all mystification, will uncover that path on which alone gods will be encountered — if they are to be encountered ever again in the history of manking. [...] In Nietzsche's usage, the word chaos indicates a defensive notion in consequence of which nothing can be asserted of being as a whole. Thus the world as a whole becomes something we fundamentally cannot address, something ineffable — an arreton. What Nietzsche is practicing here with regard to the world totality is a kind of "negative theology", which tries to grasp the Absolute as purely as possible by holding at a distance all "relative" determinations, that is, all those that relate to human beings. Except that Nietzsche's determination of the world as a whole is a negative theology without the Christian God.

[...]

The thinker inquires into being as a whole and as such; into the world as such. Thus with his very first step he always thinks out beyond the world, and so at the same time back to it. He thinks in the direction of that sphere within which a world becomes world. Wherever that sphere is not incessantly called by name, called aloud, wherever it is held silentely in the most interior questioning, it is thought most purely and profoundly. For that is held in silence is genuinely preserved; as preserved it is most intimate and actual. What to common sense looks like "atheism", and has to look like it, is at bottom the very opposite. In the same way, wherever the matters of death and the nothing are treated, Being and Being alone is thought most deeply — wherever those who ostensibly occupy themselves solely with "reality" flounder in nothingness.

Martin Heidegger. Nietzsche Vol II - The Eternal Recurrence of the Same. caps 12 & 28. David Farrel Krell (trad). Harper One (1991)